Notice: Undefined variable: post_ID in /home2/salvatorianasorg/sites/educacao/fatima/blog/wp-content/themes/blog-salvatoriano-2017/single.php on line 76
Fundamental II

[Redação] A história das irmãs Katy e Valquiria


A história das irmãs Katy e Valquiria

Estudante: Maria Eduarda Scheidt Eugenia

Turma: 74

A história das irmãs Katy e Valquiria começam antes mesmo do nascimento delas, na verdade começam com a mãe delas, a milhares de anos atrás, com as Guerras Celestes. Essas guerras foram um evento onde muitas bruxas lideraram em busca de supremacia.

Naquele tempo já se sabia a existência de feitiços, que as bruxas usavam contra os povos para saquear povos e reinos. Ainda não se tem muitas informações sobre essa guerra, mas foi durante essa guerra que os pais que se chamam Eva a mãe e Narthus o pai, eles tentaram ajudar o povo deles, e no pico do monte Zoráx parecia ter literalmente um farol iluminando a escuridão.

E até onde sabemos o povo tentou fugir para o pé do monte Zoráx, pois existia lendas que tinham deuses no pico do monte Zoráx e de que eles poderiam abençoar a pessoa que conseguisse chegar lá em cima com poderem inimagináveis.

Então o casal Eva e Narthus escalaram o monte mais hostíl e inóspito de Celestina. E vale dizer que poucas pessoas conseguiram sobreviver quando tentaram escalar o mesmo.

O casal mesmo sabendo que a Eva estava grávida de Katy e Valquiria ainda escalaram o monte, isso é para você ter uma noção do inferno que eles estavam passando com as Guerras Celestes, eles preferiram arriscar a vida de uma mulher grávida do que virar escravos de bruxas.

Quando eles chegaram no topo não tinha nada, eles se frustraram, pois lá em cima só tinha um ponto de acesso. Esse ponto de luz é como se fosse um portal para outra dimensão e do outro lado desse “farol” sim é onde ficavam os deuses.

De repente os céus se abriram uma luz dourada saiu e aqueceu o rosto da Eva que foi a escolhida pelo Deus da justiça, talvez pela força de uma mulher grávida pudesse ser capaz de escalar uma montanha tão perigosa ou já avisando sobre as gêmeas que nasceriam.

Mas entre os dois do casal a mulher que foi abençoada com uma espada e uma centelha divina para que ela acabasse com os saqueamentos nos reinos e povos. E foi na decida do monte que as gêmeas nasceram, nasceu primeiro a Katy e depois a Valquiria, separadas apenas por um suspiro de tempo, as gêmeas já teriam as suas vidas traçadas pelos deuses.

A mãe delas, a Eva, tinha se tornado uma guerreira destemida líder de todos os povos que precisavam se libertar e terminar com essa guerra. E a personalidade da Eva tinha mudado bastante, ela deixou de ser uma simples mortal e cuidar das gêmeas tinha virado uma tarefa menor para se comparar com uma grande guerra inteira no caso salvar Celestina.

Esse reflexo de poder implacável da mãe e o carinho do pai cuidando das gêmeas e ao mesmo tempo de tinha receio dessa nova líder que era a esposa dele, tudo isso causou um impacto na formação das gêmeas durante os primeiros meses de vida delas.

O pai Narthus ficou com muito medo de acompanhar as batalhas lideradas pela sua esposa e o risco que isso poderia trazer para as filhas e a falta de apego que a mãe tinhas com as filhas e a forma de como estava tratando sua família, então o pai Narthus decidiu abandonar a sua esposa, as guerras e salvar as filhas para um lugar tranquilo e seguro. E então o Narthus pegou as gêmeas, embarcou em um navio atravessou o mar e partiu do pé do monte Zoráx até Saffira.

Durante os primeiros anos de convivência em Saffira as gêmeas seguiram caminhos diferentes, enquanto a Katy se preocupava em estudar as leis de Saffira e discutia a natureza delas com os líderes de Saffira, a Valquiria seguia o caminho que questionava o porquê  que eles estavam negando a ajuda a forasteiros, por que Saffira expulsava os forasteiros, já que ela mesma e a sua irmã ou o seu pai ou até mesmo alguns saffirianos eram forasteiros, toda população de Saffira era constituída de forasteiros.

Valquiria percorria as florestas conversando com bruxos rebeldes e quando ela voltava para casa encontrava o seu pai chorando de saudades pela Eva, como as duas eram muito pequenas quando ele fugiu para longe das guerras, elas não tinham muitas lembranças da mãe.

Então Valquiria questionava porque a mãe teria se afastado tanto do afeto da família, porque o pai se sentiu tão obrigado a fugir da própria mulher para salvar as suas filhas e isso enquanto a Katy já enxergava a mãe como uma heroína que supostamente que foi com a ajuda do aspecto da justiça, usando o braço da mãe que desceu a espada e buscou o fim das Guerras Celestes. As duas cresceram com ideias, opiniões e visões diferentes, a Katy de uma forma mais bruta e liberal das coisas e a Valquiria de uma forma mais objetiva e intuitiva.

Digamos que a Katy só enxergava o que a luz do dia iluminava sobre seus olhos e enquanto que a Morgana buscava enxergar o que a noite escondia por trás da escuridão. As duas visões da justiça que se complementam, é por isso que um dia quando as duas eram ainda adolescentes, um raio de chamas dividiu os céus e uma espada ardente de chamas celestes caiu no chão entre a Katy e a Valquiria se partindo em dois.

E isso poderia significar duas coisas, que a mãe delas talvez tivesse morrido ou então tivesse comprida a sua missão na terra e então ido para um lugar melhor junto aos outros aspectos do monte Zoráx, e também que elas estavam prontas para juntas assumirem o cargo de deusas da justiça, em Celestina aproveitando o melhor de cada uma.

Mas quando o pai viu que se tratava da espada da Eva, que caiu entre as duas, ele viu as gêmeas empunhando cada uma, uma metade da espada enquanto asas brotavam de seus ombros como se elas estivessem cintilando a anjos, a alguma divindade surreal mitológica quase inacreditável, diante dele, ele entrou em desespero, ele chorava pelo destino delas como que se os deuses estivessem pregado uma peça contra o pai, fazendo ele perder suas filhas de qualquer jeito, e então a Valquiria buscou consolar o pai, ficando do lado dele e isso enquanto que a Katy se sentia mais conectada com a sua mãe, ela tinha certeza que deveria seguir os mesmo passos da mãe.

O povo saffiriano acreditava que as meninas tinham sido abençoadas pelas estrelas, e que elas estavam destinadas a proteger a nação saffiriana dos forasteiros, e então essas protetoras aladas se tornaram símbolo de luz e verdade e foram reverenciadas por todos.

Porém as divergências filosóficas das duas foram ficando cada vez mais distantes apesar da justiça de cada uma na prática serem mais parecidas do que elas mesmas imaginam e o rumo de cada uma foi o seguinte, como a Katy já estava pilhada em honrar o histórico da mãe como heroína da justiça então  ela liderou melícias para confrontar as bruxas, os bruxos e criminosos enfim limpar Saffira das bruxas e bruxos que saqueavam os reinos e povos. Eles os faziam de escravos, expandir Saffira,e fazendo justiça em outros povos aguentando o território saffiriano até os limites que conhecemos e servindo de justiça verdadeira e absoluta e nesse processo reunindo uma legião de adébitos que seguiam seus passos.

Então a Katy decidiu ditar as novas leis de Saffira, para que acabasse tudo com os saqueamentos e etc, a Katy era justa e flexível com todos menos com uma pessoa com a Valquiria.

A Valquiria enquanto que a Katy abraçou a sua nova vocação, a Valquiria ficou um pouco relutante no início, ela deixou a Katy assumir o poder e ficou só cuidando do pai Narthus, até perceber que a Katy estava ficando muito extrema nos seus julgamentos.

Os bruxos que poderiam mudar, arrepender-se e redimir-se estavam ficando sem essa opção, só o que existia aos olhos da Katy era punição, e a Valquiria não estava gostando nada disso.

Então ela interveio, mas de uma forma bem delicada, como uma irmã que ama sua outra irmã faria isso, as duas lutavam juntas nas batalhas, a Valquiria sempre protegendo e aconselhando Katy, mas em um evento conhecido como a batalha de é que aconteceu uma coisa que feriu o laço de fidelidade que as duas tinham.

Acontece que essa cidade de Valon, ia ser atacada por um exército inimigo e a Katy e a Valquiria foram lá proteger, mas no momento em que a Katy mais precisava da proteção da Valquiria, a Valquiria viu uma ameaça interna na cidade e desceu para proteger os habitantes de Valon, e deixou a Katy sozinha e furiosa, esse foi um dos quatro momentos decisivos para que as duas se separassem, um outro momento foi quando a Katy ia executar  um pecador que buscava perdão, mas a Valquiria interveio na execução e protegeu o pecador, e ela perguntou para a sua irmã

– Abandonamos toda a esperança de redenção? Estão todas as falhas condenadas a morte?

essa compaixão tocou o coração da Katy, ela ficou dividida, porque de um lado estava seus aliados pedindo por justiça, e do outro lado estava a Valquiria pedindo perdão para a irmã e compaixão para alguém que pode se arrepender e melhorar como bruxo.

Então elas fizeram um acordo, um pacto de penitência para as pessoas que buscavam perdão, por causa desse pacto os aliados da Katy não estavam aceitando esse tipo de comportamento, então o Orfeu o discípulo mais corajoso da Katy ele decidiu agir contra a Valquiria, se matassem a Valquiria a Katy voltaria a ser justa que eles sempre escolherem, então o Orfeu foi de encontro com a Valquiria, e se deu mal, a Valquiria em sua defesa prendeu o Orfeu com correntes e chamas mortais, a Katy pode ouvir os gritos de dor e desespero de Orfeu e subiu aos céus empunhando a metade de sua espada e voou de encontro até a sua irmã, esse foi o terceiro momento decisivo para que elas se tornassem inimigas para sempre.

Agora como irmãs feridas pelo amor uma e da outra, traídas uma pela outra, elas se enfrentam nos céus, as lâminas divididas da mãe justa, colidas furiosamente, trazendo chamas, trovões e tempestades, luz e escuridão se entrelaçam, isso causou desmoronamento das cidades abaixo delas, tudo desabava casas e estátuas, só que de repente a luta foi interrompida pelo choro angustiado do pai Narthus ele estava entre os destroços da casa e mortalmente ferido.

Com um grito de dor desesperado a Valquiria arremessou a metade da espada da mãe na Katy, que desceu no solo com um meteoro quando a Katy aterrissou e viu a Valquiria, e a mesma perguntou:

– O extermínio de mortais perversos inclui nosso pai? Cujo único crime tinha sido roubar suas próprias filhas fugir da violência?

E a Katy não respondeu, esse foi o quarto e último momento decisivo para que elas nunca mais se encontrassem, com aquela visão  do pai morto por culpa delas. Então Katy empunhou as duas metades da espada e jurou que nunca mais deixaria os sentimentos mortais como vingança dominarem ela, então partiu até o farol do Monte Zoráx, lá ela ficaria ao lado da mãe, enquanto isso Valquiria se sentiu amaldiçoada por essa herança de destruição que a tal “justiça” trouxe para o mundo. E a partir daquele dia as asas da Valquiria se tornaram uma lembrança inevitável da sua dor.

 

 

 


As redações fazem parte da Monitoria de Produção Textual. Clique aqui para acessar outros textos.

 

Outros conteúdos


  • Notice: Undefined variable: post_ID in /home2/salvatorianasorg/sites/educacao/fatima/blog/wp-content/themes/blog-salvatoriano-2017/single.php on line 146
    Ensino Médio Fundamental II Notícias

    Colégio Salvatoriano Nossa Senhora de Fátima participa da Pré-ONHB (Olimpíada Nacional de História do Brasil) e conquista índices acima de 96% de aproveitamento com todos alunos

    Continue lendo

  • Notice: Undefined variable: post_ID in /home2/salvatorianasorg/sites/educacao/fatima/blog/wp-content/themes/blog-salvatoriano-2017/single.php on line 146
    Fundamental II

    [Redação] Um dia de cada vez

    Continue lendo